A Maldição dos Wolf - 18º Capítulo

domingo, 2 de fevereiro de 2014
                                
                                             
                  18 Capitulo:
Meus saltos faziam um barulho oco no piso de linóleo e as vozes de tantas moças estavam me levando aos nervos. Me senti incomodada e ansiosa, esperando ele passar pela porta. Demorou o que parecia ser uma eternidade até Dimitri e Alexander passar pela porta. Os dois estavam bêbados , mas eu não me importava com isso de qualquer modo. Homens bêbados sempre eram mais bondosos e suas gorjetas costumavam satisfazer nossos desejos. Guardei o lenço que tinha dentro do meu bolso eles foram para o segundo andar para o meu quarto e estavam tirando suas roupas.
A cortina vermelha, as paredes cor de creme estavam desbotadas , a cama era de um formato novo do qual era moda nas casas mundanas de Paris, De um formato oval com muitas almofadas.
    
  Eu não sei por que estava lá. Eu não queria ver Dimitri fazendo nada com outra pessoa que não fosse eu, mas mesmo assim eu seria obrigada a ver. A sentir tudo o que Melina sentiu. Meus sentimentos estavam confusos. Uma mescla dos meus sentimentos e dos dela, estavam misturado num fervilhão de emoções. Eu me sentia febril e um pouco louca e não tinha previsão de quando isso ia terminar. Achei que eu ia ser eu mesma, mas logo depois de instantes que comecei a lutar para não subir  e meu corpo foi dominado para fazer o que eu não queria.

  Eu me deitei na cama e ergui o saiote, mostrando minhas coxas e as anáguas. Os dois pareciam gostar até demais para meu gosto e por sorte eu não estava sozinha. Uma outra garota havia se juntado a nós, sua pele morena e olhos verdes eram atraentes , mas mesmo assim... não podia dizer que ela chegava aos meus pés. Quer dizer... as pés de Melina. Não sabia dizer a diferença. Tudo estava estranho, como se meu corpo estivesse trabalhando através de mãos de outra pessoa, nada em mim era meu há não ser meu espirito. Não podia dizer se estava no meu corpo ou no corpo de Melina. Eu só sentia como se estivesse num corpo estranho apenas assistindo como uma telespectadora, vendo uma novela ruim do qual eu não gostava e não podia mudar de canal.

   Os olhos de Dimitri estavam encarando a garota nova e Alexander estava grudado em mim, tentando chamar minha atenção com sua inexperiência em certos assuntos, mas eu não estava nenhum pouco afim de ouvir. Eu queria apenas arrancar o couro cabeludo da novata e levar o Dimitri a uma sala reservada apenas para nós dois, mas ele ficaria irritado. Ele não gostava quando eu me negava ao seu irmão, Dimitri estava fazendo de tudo ultimamente para deixar seu irmão feliz já que ele não andava muito bem da saúde. Para mim isso era gratificante. Se algo acontecesse com Alexander...Dimitri seria único filho e único  herdeiro. E como Dimitri havia apenas mostrado interesse por mim, eu tinha chances... de pega-lo para mim. ( Eu não queria pensar , ver ou sentir uma coisa monstruosa daquelas e a cada vez que eu me aprofundava na historia dos três, mais enojada eu ficava. Eu queria apenas que Melina me deixasse assistir a tudo isso no lugar de sentir. Era como se eu tivesse virado a bruxa má da historia).

  Dimitri colocou Sophy em seu colo ( A garota nova, do qual comecei a odiar junto com Melina) E começou a tocá-la , sempre olhando em meus olhos... Seus olhos brilhavam com luxuria e diversão, pois ele estava brincando comigo para ver minha reação. Ele estava me provocando... Mal ele sabia que não deveria me deixar muito na beirada. Eu não era uma mulher que podia ser considerada comum. ( No pensamento dela claro – pensei, Melina se sentia tão poderosa que até eu estava me achando. Seria bom se isso acabasse logo, me sentia como se ela estivesse me contaminando com sua sujeira).

    Para retribuir a sua provocação, eu beijei seu irmão provocativamente . Sempre olhando em seus olhos e fazendo cara de satisfeita . Minha mão acariciava seu pescoço e a outra estava descendo até a braguilha de sua calça...( Não, não! – pensei tentando afastar as mãos, mas elas já estavam lá , desobedecendo meus comandos. Quando isso terminasse eu não ia conseguir olhar para ninguém de tanta desonra) Meus movimentos estavam gentis no começo, fazendo Alexander se enrubescer e ficar com a respiração entrecortada, quando vi que ele estava na beira eu liberei seu membro e deixei rolar o que tinha que acontecer... Dimitri nunca desviou o olhar.
                       
                        *******
  Dimitri...

Estava sentado tentando limpar os últimos traços de sangue do meu corpo. Eu não quis admitir na hora, mas estava aliviado por Alexander não ter pego leve comigo. Eu não sabia por que tinha agido de forma tão grosseira e selvagem como tinha feito...

   Me levantei colocando roupas limpas e jogando as sujas fora. Podia ouvir Alexander tomando banho e me chamando de idiota. Eu nunca soube se ele sabia que eu estava prestando atenção ou não, mas acho que para ele isso não importava. Mas de uma coisa poderia estar certa...Alexander podia estar certo. 

Eu estava agindo como um idiota. Só de lembrar das coisas que eu tinha feito, tinha vergonha de mim mesmo. E cheguei a conclusão que eu mereço estar onde estou, menos eles. Alexander, Destiny...minha família.. Eles não mereciam isso. E isso tudo tinha acontecido por eu não saber como agir  direito, isso era uma espécie de maldição. Eu não conseguia ver as pessoas direito. Saber o que estavam sentindo, nem ao menos me importava com esse tipo de coisa. Mas agora era diferente.

  Deitei na cama olhando para a pintura no teto, onde anjos e querubins estavam felizes comemorando alguma coisa. Levei a mão a cabeça tentando acalmar meus pensamentos e cheguei a conclusão que pelo menos deveria pedir desculpas a Destiny, mesmo que ela tentasse me matar...mas ela não estava com cara que ia fazer isso. A lembrança do seu rosto assustado pela minha súbita transformação estava cravado em minha mente. Ela estava aterrorizada, se eu não tinha estragado as coisas antes, agora com certeza minhas chances estavam acabadas.

   Quando ouvi Alexander caminhando para seu quarto eu o segui e quando cheguei lá ele parecia pronto para mais uma rodada.

─ O quê? ─ Perguntou irritado, me despachando.

Abaixei o rosto envergonhado e coloquei as mãos nos bolsos.

─ Eu não sei. Quero me desculpar. ─ Disse sinceramente.

 Acho que deixar ela com medo foi tanto que eu tinha voltado para a realidade. 

Eu não ligaria se ela me odiasse, eu merecia. Se ela fosse embora e a maldição ficasse mais forte... eu merecia. Eu me senti estranho quando descobri que elas compartilhavam o mesmo sangue, mas quando ela me olhou daquele jeito ... era como se eu realmente a tivesse perdido. E isso foi o pior sentimento que já senti na minha vida. Mesmo se acabasse sem ela eu saberia que nunca a deixei com medo, somente com raiva.

─Eu me sinto como se a tivesse perdido.

Não sabia dizer se ele tinha acreditado ou não, mas ele balançou a cabeça e me olhou zangado.

─Então volte outra hora. Quero ver se ela quer ou não vê-lo. ─ Era difícil ve-lo assim tão super protetor, mas sabia que ele estava fazendo isso pelo bem dela. Mesmo ele nunca agindo assim com ninguém antes.

Nossos corações estavam batendo em ritmo acelerado , ambos prontos para bater um ao outro até que um de nós desistisse de chegar até ela. O que senti falta mesmo era de um terceiro coração...- Pânico tomou conta de mim. Eu só sentia dois corações batendo.

─ Eu só sinto dois corações batendo aqui.

  Alexander ficou pálido e nem sequer bateu na porta antes de chutar e arremessar a porta para o outro lado. Minha esperança era que pelo menos Destiny houvesse deixado o quarto e saído para refrescar os nervos que devo te-la causado. Mas não. Ela ainda estava lá, só que não estava.

   Meu coração deu uma batida irregular junto ao de Alexander. Que a abraçou e chacoalhou ,a chamando desesperadamente. Eu me ajoelhei ao chão pensando se isso estava acontecendo de verdade.

   A encarei nos braços do meu irmão, parecendo uma boneca de porcelana. Seus lábios estavam brancos, seu corpo não irradiava calor como sempre. Sempre que eu olhava para ela andando pela casa, podia ver um brilho alaranjado sobre ela. Como se o calor que saia dela brilhasse. Hoje não.

  Caminhei e a tirei dos braços do meu irmão e a segurei próxima a mim.

Alexander me olhou com puro ódio em seu rosto. Se eu não estivesse com Destiny em meus braços, ele teria tentado me matar. Nunca tinha pensado nisso, mas o vendo assim...eu não tinha duvidas que ele tentaria.

─ A culpa é sua! ─ Disse ele gritando. ─ Você a deixou triste por dias! Ficou agindo como um idiota e olha só o que aconteceu! Por sua culpa novamente sou obrigado a definhar aqui sozinho, sem ter mais ninguém para conversar além de você!

  Eu não me defendi. Ele continuou dizendo tudo que estava preso dentro dele e continuei olhando o rosto dela. Eu sou um idiota. Me desculpe.


Destiny...

Quando Melina terminou de fazer o que quis com cada parte do corpo deles e dela, eu me sentia tão suja que pensei que nem se ficasse toda a eternidade tomando banho aquilo não ia sair. Fora as imagens... as pessoas...os homens...( ui, que horror) Se fosse só Alexander e Dimitri ia ser como uma fantasia sexual, mas com outros homens? Mulheres? E outras coisa? Nojento. Realmente nojento. Eu não tinha ideia do tamanho da sujeira que Melina tinha. No começo pensei que ela fazia tudo isso por Dimitri e seu amor doentio, mas não. Ela queria ter poder e dinheiro não importava com quem tinha que se deitar. O fato de Dimitri ser o primeiro filho de uma família que era fundadora da cidade e de ser um pervertido gostosão, ajudou um pouco na sua escolha, mas mesmo assim poderia ter sido qualquer um.

   Até mesmo um velho sujo, tarado e bobão.

Depois de terminar “aquilo” Ouvi Dimitri e Alexander conversando enquanto se arrumavam para ir embora e depositavam o dinheiro em sua mesinha. Ela ouviu algo sobre um casamento que Dimitri tinha que fazer e seu coração, meu coração se encheu de esperança. Mas isso mudou no outro dia. Mais um dia infernal onde eu era obrigada a ver as coisas que ela fazia até o anoitecer onde ela iria atrás de Dimitri.

   Quando a noite chegou e chegamos lá, havia uma moça na entrada da mansão Wolf, suas roupas eram da alta costura, mas seu corpo dava o dobro ao de Dimitri. Sem duvida ela deveria ser alguma parente muito distante ou alguma dama da sociedade do qual os pais dele andavam.

  Mas se escondendo nas sombras ela ouviu os preparativos do casamento da moça e do Dimitri. Seus pais eram a favor daquele casamento e Dimitri embora não parecesse satisfeito, ele foi extremamente gentil com a mulher e aceitou todas as suas exigências desde que ele tivesse “um tempo” para suas atividades. Sua mãe não concordou, mas a dama da sociedade fora do peso aceitou sem pensar no assunto, afinal. Quem não iria querer se casar com um homem bonito daqueles? ( Talvez eu, pelo menos quanto mais eu via, menos eu queria).

  Quando todos foram embora e Dimitri ficou para fumar e pensar no seu futuro, Melina/Eu o confrontamos. Ele pareceu surpreso e depois sorrir entre dentes.

─ Aqui é uma área particular, não deveria estar aqui.

Ódio puro tomou conta, junto com uma grande decepção.

─ Você vai se casar. ─ Disse. Não era uma pergunta.

Dimitri deu de ombros como se tivessem falado do tempo.

─ Ela é da segunda família mais rica do pais. Quando me casar vou ficar com todas as propriedades e negócios da família dela. Já que seu pai faleceu há pouco tempo e ela era a única filha. Basta dar conforto e um bom nome pra ela, que ela não vai me incomodar.

  Melina estava esperançosa. Que mesmo depois do casamento ele poderia dar um jeito e acabar ficando com ela.

─ E vamos continuar assim? ─ Ela perguntou apreensiva . Ele riu.

Riu até doer seu próprio estomago.

─ Não somos namorados nem nada do tipo. ─ Disse ele com sua gentileza e educação indo embora.

─ O que disse?

 Dimitri se aproximou dela a agarrando pelo braço e a levando para fora de sua propriedade.

─ Eu vou ser alguém importante e por mais divertido que seja ver você fazendo tudo que eu peço. Não tenho intensão de ficar por mais tempo com uma pessoa que tem mais da metade da cidade em sua cama. Por mais desinteressante que seja minha futura esposa, ela vai manter minha honra intacta.

  Melina mal podia acreditar no que estava acontecendo. Seus sentimentos estavam mesclado aos meus e cheguei a sentir como se ele tivesse me ofendido.

Não demorou nem mesmo algumas horas e Melina já o estava amaldiçoando .

  Seu corpo se deslocando entre lugares para conseguir pegar uma camisa usada de Dimitri, em seguida seu corpo se esgueirando pelo cemitério da família Wolf, onde havia uma cripta com um altar demoníaco.

  Melina recitou muitas palavras e despejou algo pegajoso na camisa, não demorou para o cheiro de sangue fresco bater em meu nariz. Em seguida Melina levou a camisa e depositou dentro de um jarro e o escondeu atrás de umas estatua de mármore de um anjo esculpido. E uma atmosfera estranha invadiu o ambiente e ela começou a sorrir feliz. Foi ai então que eu vi o colar. O mesmo colar velho e antigo que eu tinha encontrado no carro . Não podia ser....

 Logo eu não pude deixar de sorrir com ela. Eu estava sendo contaminada pelo seu desejo de vingança. Contaminada pelo seu ódio, rancor e tristeza por ser chitada daquela forma. Várias imagens e sentimentos se passaram meu corpo e me senti como ela, compartilhando o mesmo sentimento de vingança, mas quando retornei ao controle e voltei ao meu corpo. Eu ouvi Alexander e Dimitri brigando.

─ É sua culpa por ela estar assim.

Alexander gritava com a voz triste e alterada e sentia algo molhado caindo em minha testa e descendo pelo meu rosto.
Lagrimas.

Dimitri estava chorando?

“ Sim esta. Por que ele pensa que a salvação dele esta morta.” Disse Melina. “ Ele ainda quer ser salvo e tomar conta de suas próprias ações, mas...se ele ficar livre vai continuar como era.”

Meu corpo ainda não podia se mexer, mas podia me sentir me desintoxicando dos sentimentos de Melina. Como eu estava no corpo dela, me sentia exatamente como ela, com o mesmo sentimento, as mesma tristeza, o mesmo ódio. Mas aquilo era como ela queria que eu me sentisse. Se eu acabasse por sentir ódio , acabaria prejudicando Dimitri apenas por estar machucada pelos atos dele. Mas eu nunca agiria assim. Sempre pensei antes de agir e era muito difícil eu seguir meus instintos, pois meu gênio era difícil até para uma bruxa entender . Nem mesmo eu entendia. Mas sabia que tinha caído numa armadilha. Melina queria me fazer acreditar que aquela raiva também era minha, mas como sou eu falando. Eu sei que a banda não toca desse lado.

“ Entendo” . Respondi.

Ela pareceu animada.

“ Então você concorda.”

“ Sim.” Respondi. “Dimitri tem razão. Quem ficaria com outra pessoa que já esteve com mais da metade da cidade?”

Ela pareceu irritada, mas não conseguiu fazer mais nada por que eu estava no controle agora.

“ Como você pode dizer isso! Ele vai fazer a mesma coisa para você .” Eu quase ri na cara dela. Eu estava me sentindo como o proprio demônio daquela hora.

“Grande coisa. Se ele me largar, arrumo um bem melhor, sou jovem ainda. Além do mais, ele não vai poder dizer que dormi com mais da metade da cidade, pois eu era pura e ele foi o primeiro. E ele é meu marido. Não seu. Quem tem que ver o que faz com ele ou não. Sou eu.”

Melina estava tentando fazer alguma coisa , mas eu bloqueei ela. Já que compartilhamos o mesmo sangue, logicamente que eu poderia retribuir a altura. E uma vez que eu vi como ela tinha feito a maldição eu podia muito bem desfazer, e fazer umas coisinhas a mais.

“ Você me ajudou muito com seu passado Melina, agora eu posso realmente ajudar.”

 Com isso meu corpo tomou o controle e abri meu olhos olhando para o rosto de Dimitri e o empurrei para longe. Eu não tinha tempo para explicações. Eu tinha uma maldição para desfazer antes que Melina descobrisse como me parar.

 Dimitri e Alexander me olharam assustados e um tanto aliviados, mas antes que perguntassem alguma coisa, eu retirei do meu bolso um pedaço de tecido. Quando Melina me levou dar um pulo no passado, eu guardei um pedaço de lenço antes que perdesse o controle de meu corpo. Eu não sabia se conseguiria atravessar e continuar com aquilo, mas caso não desse certo, eu não teria como acabar com nada. E precisava saber a fonte da maldição. A camisa. Eu tinha que retira-la de la e substituir com o pano de Melina. Para deslocar a maldição para ela. Não que desse muito certo pelo tempo que aquilo estava lá, mas pelo menos aliviaria muito as coisas já que não sou profissional. Só esforçada demais. Esperançosa demais.

─ O quê?...─ Alexander começou e eu gritei da porta.

─ Melina queria me controlar para não desfazer a maldição, mas eu descobri... Descobri como acabar com ela..

Dimitri estava vindo em minha direção, mas logo eu pedi desculpas e fechei a porta do quarto a trancando por fora e corri em direção ao carro. Mesmo que Dimitri escolhesse não ficar comigo...Mesmo que voltasse como era antes, eu não me importava. Eu já tinha visto demais e acho que já estava na hora de Melina pagar o seu carma astral nessa vida mesmo, já que ela não tinha prazo de validade para passar dessa para a pior. E ninguém melhor do que eu para fazer isso. Como uma parente distante.

Quando cheguei lá ele estava em chamas.


Mesmo assim eu abri a porta traseira, pois eu precisava. Precisava daquele colar para pelo menos amenizar a maldição dos Wolf.



Um comentário :

* . Comente aqui o que você achou da postagem , se gostar vire seguidor do blog. * sua presença é muito importante.