A Ceifadora - 15 Capítulo

sábado, 20 de julho de 2013

       
      
    Um arrepio cruzou pelo meu corpo. Sebastian estava com a presença mais poderosa e sombria como eu jamais o tinha visto antes e cheguei a pensar que talvez fossem as almas que ele tinha gadanhado. Seu rosto estava mais pálido e seu cabelo estava dois tom mais claro que a cor normal, se ele continuasse nesse rimo , logo ele estaria com os cabelos brancos. Sua expressão dizia que ele não estava de brincadeira e ai de mim se eu mentisse para ele.
   
Cruzei meus braços sobre meu peito e deixei minha expressão seria.

− Você sempre fica de mal humor quando gadanha as pessoas? – Perguntei irritada. Sebastian não podia saber que eu estava caçando respostas e muito menos que estava botando Miah no assunto, sem ao menos a coitada saber. Eu não queria que ele a ameaçasse de novo, então faria a minha melhor atuação. Daria conta com certeza, afinal de contas, eu tinha mais medo das pessoas da minha escola do que Sebastian La’Muerte.

     Ele percebeu que eu tinha desviado do assunto e agarrou meu rosto com as duas mãos e olhou ao fundo dos meus olhos e senti como se minha alma estivesse sendo estuprada. Não era um sentimento muito bom, era como se ele estivesse forçando as informações e minhas lembranças a saírem do meu cérebro para o dele. A imagem de Johnny surgiu na minha cabeça e antes que Sebastian descobrisse algo a mais o empurrei para longe.

− Qual é o seu problema? – Perguntei me sentindo fraca e prestes a ter uma crise de choros .

− Pensei que você tinha esquecido esse garoto, mas ele ainda está colado na sua mente. Não  posso confiar em você ! – Disse ele ultrajado.

  Quando ele tinha partido para Ceifar longe de mim eu tinha estado com medo de que ele demorasse e que aquela sensação de alguém estar abusando de mim voltasse, mas agora ... tudo que eu queria era um tempo só para mim e livro, um monte deles.

 Revirei meus olhos e apontei um dedo para ele.

− Você não pode me culpar de pensar em johnny quando você acabou de estuprar minha alma  ! Ele nunca faria isso! – Gritei com ele e quando ele estava prestes a gritar algo ruim ou fazer ameaças, imagino que fosse com Johnny, Mike apareceu e deu aquele olhar de cumplice ao seu irmão. Isso não era bom. Todos tinham alguém para dar aquele olhar de “ sei alguma coisa e você não “ menos eu. Tudo que eu sabia era dividido com mim mesma e isso não tinha muita graça.

    Mike olhou para mim e depois começou a desviar do assunto.

− Está atrasado. Esta na hora. – Em seguida Miah entrou no quarto e Mike a segurou pela cintura com carinho, enquanto tive que me contentar com o olhar ciumento de Sebastian sobre mim. Eu ainda sentia que ele estava tentando abrir um pouco mais minha mente e tirar informações, mas eu o chutei de fora da minha cabeça e foi tão fácil que fiquei feliz e poderia tirar uma da cara dele quando pudesse.

     Seguimos para o corredor e fomos em direção a sala do espelho/portal. Eu podia quase sentir meu coração saltando do peito e fiquei imaginando se Sebastian poderia ver através do espelho o que Miah e eu tínhamos feito e rezei que não fosse o caso.

− Boa sorte para vocês . – Mike disse carinhosamente e fomos levadas pela luz para uma sala escura. Uma sala escura, gótica e sombria demais. Era uma sala não muito grande de paredes cinzas, na parede do canto direito havia três dutos parecidos com aqueles do esgoto, mas não davam a lugar nenhum por que estavam lacrados, a minha frente tinha três mesas cirúrgicas grandes o suficiente para caber uma pessoa obesa e ao lado de cada uma tinha uma pequena mesinha com utensílios de tortura. Minha bílis subiu e quis chutar as bolas de Sebastian. Era isso? Ele ia me torturar para arrancar informações ? Ou era apenas vingança por causa do ciúmes? Eu não sabia qual era a resposta, mas só de pensar que Sebastian ia me machucar eu senti meu coração murchar e ficar do tamanho de uma ameixa seca. Eu não queria admitir mas... eu estava gostando dele, mesmo que fosse um pouco eu estava. Eu só não confiava inteiramente nele para entregar meu coração.

− O que é isso? – Perguntei e quando virei  para ele...ele tinha se transformado numa sombra escura recoberta com um manto negro e uma foice na mão.

  Miah foi em direção a mesa do centro e se deitou em cima dela e repeti o seu feito me deitando na mesa da ponta em frente a Sebastian e esperei. Depois de uns minutos uma outra garota veio e se deitou ao lado de Miah, uma garota loira com olhos azuis. Não achei ela nada demais, mas Miah não tinha gostado nada de ver a garota ao seu lado, então foi ai que veio a informação certa. Olhei para Miah e disse o nome do qual ela mais odiava na vida (depois de Sebastian).

“ Jessica?”

Miah fez que sim e revirou os olhos.

     Os Ceifadores se posicionaram atrás de nós, cada um atrás da mesa de sua aprendiz. Mike atrás de Miah, Sebastian atrás de mim e o desconhecido atrás de Jessica.  Fechei os olhos pois a luz encima da mesa estava me dando nos nervos e ouvi a voz de Sebastian em minha mente.

“ O que vamos fazer agora não tem nada a ver com assuntos pessoais, eu juro. Você só tem que se concentrar e prestar atenção. As vezes não é o que parece.”

     Eu quis perguntar o por que da charada, mas foi ai que comecei a gritar . Era como se uma mão enorme estivesse arrancando minha espinha através da minha boca. A dor era intensa e todas nós estávamos sentindo a mesma coisa. Miah gritava mais que eu e ouvi Mike dizer para ela se concentrar, mas nada adiantava. Miah provavelmente já tinha feito esse teste, mas não estava conseguindo por causa da presença de sua nêmeses no ressinto . No meio da dor consegui agarrar o pingente do sol e foquei tudo que eu tinha nele, focalizei sua forma, seu brilho em minha mente e senti seu poder fluir para fora do meu corpo e algo realmente surpreendente aconteceu. Não sabia o que estava acontecendo, mas a dor tinha ido embora, havia muitas pessoas a minha volta e ouvi uma voz familiar falar ao meu lado.

− Ela esta bem? – Era Johnny e ele parecia preocupado. Tinha pessoas perto dele, mas não conseguia ver nenhuma. Todos eram grandes borrões e a luz forte no meus olhos não estavam ajudando .

− O coração dela quase parou... ela esta lutando a todo momento. Acho que se esforça para continuar viva.

   Por um momento eu consegui ver o rosto abatido de Johnny. Tentei falar, gritar, me mexer, mas era impossível. Era como se não tivesse controle do meu corpo e do mesmo jeito que tinha aparecido ali eu voltei, para Sebastian.

                                                             ****

   Ela tinha parado de gritar e se mexer. Anita parecia morta sobre a mesa enquanto as outras duas continuavam a gritar.

− Vamos! Miah! Se concentre. – Mike gritou em alto e bom tom. Miah estava tendo dificuldades em se controlar o que era estranho, pois ela já tinha feito isso antes, enquanto a outra... bem... não era do meu interesse. Eu só esperava que Anita não pensasse que isso era algum tipo de punição por ela não ter me dito onde estava. Ela não estava com Miah, disso eu sabia. Mike havia ido ao meu encontro e tínhamos voltado juntos para nossa casa quando encontramos Miah na cozinha e ela não estava com Anita. E mesmo perguntando diretamente para as duas, nenhuma tinha me dado uma resposta satisfatória. Miah tinha dito que Anita estava na biblioteca e ela não estava, e Anita tinha desviado do assunto. Alguma elas tinham aprontado! Disso eu tinha certeza! E Anita estar pensando em Johnny não ajudava meu auto-controle.

     Olhando para ela não conseguia entender... Johnny não tinha nada demais,  nenhum poder, nada de diferente que pudesse prender o interesse de alguém por muito tempo e mesmo assim lá estava ele, grudado em sua mente como um fungo. Girei minha foice em minha mão e tentei desviar minha linha de pensamento. Anita não tinha acordado e eu estava quase a beira da loucura.

“Acorde! Vamos. Volte para mim. Volte” mas nada aconteceu. Tentei varias vezes até ter algum resultado . E logo, Anita abriu os olhos e me encarou.

   Senti um alivio no peito e uma pontada de orgulho quando ela falou em minha mente.

“ É uma ilusão seu filho da puta!, Você devia ter me avisado” Em seguida ela se sentou arrumou o cabelo passando as ponta pelas mexas e depois segurou a mão de Miah tentando a acalmar.

   Eu sorri para ela orgulhosamente e não liguei quando ela me xingou e disse que quando estivéssemos em casa eu ia ver uma coisa...

                                                                   *****
   Anita estava olhando para mim e segurando a minha mão. Eu não intendia o que ela estava falando e quando ela percebeu que seja lá o que ela estava tentando fazer não estava dando certo, ela começou a me enviar mensagens através da mente.

“ Se concentre. Você já fez isso antes”. A voz de Anita estava calma e macia como veludo . Mas eu não conseguia, não enquanto a outra estivesse por perto. Eu não ia conseguir pensar em nada além da traição que Jessica tinha me feito. Ela tinha me apunhalado pelas costas e tinha se aproveitado da minha carência por amizades.

 − Eu não consigo !!! – Disse chorando de raiva e de dor.

   Anita tentou me acalmar mais uma vez, mas desta vez ela usou imagens.

“Se concentre em mim. Ela não é nada para você agora” Disse me trazendo lembranças. Anita me mostrou suas lembranças de como ela tinha me adorado quando nos conhecemos antes de Sebastian arrebentar a porta e me deixar com medo, ela me mostrou nossas conversas, nossas comilanças, nosso teste onde brinquei com um urso  e me dizia o quanto ela queria saber as coisas que eu sabia e se sentir bem com isso, ela mostrou nosso passeio doido onde comprei uma lingerie e dei de presente para ela por que ela não tinha aprendido a comprar coisas sem usar dinheiro físico. Aqueles momentos foram especiais para ela por que ela não tinha ninguém com quem contar, ninguém com quem conversar e ter aquelas conversas sobre namoros do qual Sebastian nunca iria saber que elas tinham.

   “Nosso segredo” Ela disse com uma piscadela. E logo a dor tinha ido embora e tudo que eu fiz foi chorar no ombro dela. Ela podia não ter ideia, mas o que ela tinha feito por mim naquele momento não tinha como por em palavras. Eu só esperava com todas as minhas forças que eu nunca sentisse ódio por Anita o quanto eu sentia por Jéssica.
                    
                                                    *****
“Você já fez isso antes sua vadia inútil!” Meu mestre gritou, mas era inútil. Era fácil para ele gritar quando não esta sentindo uma dor direto na alma e ainda tem que ver duas mulheres choronas se abraçando como se tivessem salvo o mundo. Aquilo era um pé no traseiro. Meu mestre era um pé no traseiro. Eu não estaria ali se tivesse me formado, mas minha ganancia foi forte. Eu não queria ser uma ceifadora, eu queria um corpo e quando apareceu a promessa de te-lo eu agarrei com todas as minhas forças, mas em troca... Eu teria que ser reprovada e ficar de olho nas garotas. Nessas malditas garotas. E até agora eu não tinha conseguido nada.! Havia tentado falar com ELE, o Maximum Reaper mas ele não deu a mínima, apenas disse que tudo era com o tempo e que ele tinha que ter certeza se seus planos iam correr bem. E qualquer coisa... eu teria que fazer seu trabalho sujo.

“ Não bastou você perder os meus poderes e vai me fazer passar por esse tipo de vergonha!”

“Foda-se seu fraco!” – Rebati de volta.

    Só que seu não conseguisse meu corpo eu contaria a todos, todos os podres e trabalhos sujos dele. Ele perderia seu posto e poder, provavelmente até sua amada vadiazinha. Eu poderia viver no inferno, mas duvido que ele aguentaria cem anos de punição sem ver o rostinho de sua queridinha. Se eu não conseguisse o corpo no dia de minha formatura...cabeças vão rolar e não vai ser a minha.

                                                                  ******


     Quando chegamos em casa Miah foi descansar e conversar com Mike, provavelmente para dizer o por que dela não conseguir passar e por isso a deixei a sós com ele.  O ciúmes de Sebastian tinha passado, mas eu sabia que ele não ia esquecer de ter visto Johnny na minha cabeça e eu não poderia correr esse risco. Ele poderia descobrir que eu estava tentando pegar Johnny e o seguir para achar meu corpo e poderia interferir e acabar com meus planos. Isso se ele tivesse algo para esconder embora muita coisa estivesse mal resolvida, por exemplo: ele não mostrou meu velório , ou meu corpo. E disse que alguém que tinha tentado abusar de mim na verdade estava “saqueando” minha cova, coisa que era mentira, pois nem cova eu tinha. Ou meu corpo estava em outro lugar...ou Sebastian tinha se desfeito, por algum motivo misterioso dele.
      Sebastian e eu fomos direto para o quarto e logo quando ele fechou a porta já foi perguntando:

− Onde você estava? – Perguntou, só que não com aquela presença horripilante.

   Eu dei as costas para ele e ele começou a resmungar.

− Não vai me responder? Tudo por causa desse Johnny! – Ele gritou . – Quando chegar a hora dele eu mesmo vou lá e vou... – Antes que ele pudesse terminar eu já tinha tirado as sacolas debaixo da cama e atirei em seu peito.

− Aqui está Sr. Testosterona. – Disse irritada. – Na próxima vez que você gadanhar em grande quantidade eu não vou fazer uma surpresa para você . – Disse e sai indo e me trancando na biblioteca. Nem sequer esperei para ver sua reação ao ver que eu tinha comprado roupas intimas e sexys para usar para ele – Não que fosse minha intenção , mas era meu álibi e com certeza depois de ver, ele estava morrendo de raiva de si mesmo. Pelo menos ele sentiria culpa o bastante para não pensar mal de mim ou arrancar informações enquanto eu durmo, mas não o bastante para pedir desculpas! Por que o Sr. Testosterona não pede desculpas há ninguém!

       Depois de minha irritação passar e ser substituída por orgulho feminino eu decidi ler o Diário do Ceifador onde todos os truques e façanhas estavam, li por horas e tentei fazer algumas coisas . Consegui fazer com êxito e me senti orgulhosa , pois o colar que Rafael tinha me dado funcionava melhor do que qualquer coisa que eu tinha ou que Sebastian ou Miah pudesse ensinar. Por fim guardei uma vingançona para a hora em que Sebastian fosse descansar ... Eu tinha encontrado algo sobre exercer suas vontades nos sonhos de outras pessoas, com isso eu poderia ir de causar um sonho erótico á causar um terrível pesadelo. E no caso do Sebastian eu já sabia o que iria ser. Ele ia me pagar pela vez que tinha se transformado em Johnny para me dar uns amassos.

      Guardei o Diário que estava quase no fim da leitura e fui procurar a cozinha daquela casa. Eu não sei como achei, talvez fosse instinto de sobrevivência ou algo assim, afinal era difícil achar um lugar desejado sem passar por vários corredores e portas, mas depois de tentar bastante tinha encontrado uma escada e acabei encontrando a sala e a cozinha. Não tinham nada demais, era bem cru e nu, A sala não tinha Tv , jogos e nem Dvds, Talvez por que eles estavam ocupados demais  pegando almas. A sala era enorme com todas as paredes pintadas de branco, tinha um enorme sofá de canto de couro negro e muitas almofadas, uma mesinha no centro em frente ao sofá e uma estante com aparelho de som, fora isso só tinha de legal as janelas coloniais cobertas com cortinas marrons e alguns vasos de plantas perto da janela. A cozinha parecia um sonho de qualquer cozinheiro, muita espaçosa com armários e balcão em perfeito estado e tudo combinando, o problema era que ninguém cozinhava então, não tinha fogão, micro-ondas, forno elétrico , mas felizmente tinha geladeira, uma enorme geladeira com duas portas. Depois de satisfazer minha curiosidade eu procurei um quarto desocupado para que eu pudesse dormir enquanto eu fazia minha brincadeira mental com Sebastian. Andei pelos corredores, abri portas e depois achei um quarto perfeito ! Ele era como o de Sebastian, mas ficava a três portas do quarto de Sebastiana e ficava no mesmo corredor. O quarto tinha a cama de casal com dossel localizada no centro do quarto, com jogo de lençóis brancos , havia duas janelas, uma atrás da cama e uma do lado esquerdo do quarto. Uma poltrona negra de couro perto da janela ao lado da cama e uma penteadeira com um espelho perto da porta em frente a cama. Era perfeito, mas precisava de uns toques femininos... coisa que eu pediria para Miah me ajudar, pois Sebastian não dava o seu toque em nada.
        
  Tomei banho, não que eu precisasse e sim por costume, troquei de roupa e fui deitar. Fechei meus olhos pronta para sentir o gostinho de vingança, agarrei o pingente e focalizei a imagem de Sebastian em minha mente , mas não pude fazer nada por que ele não estava dormindo e se ele não estivesse eu não poderia fazer nada para ele. E estava certa que ele estava só me esperando para me deitar ao lado dele. E como estava realmente certa , não demorou muito para Sebastian ir atrás de mim e tive que fingir que estava dormindo imediatamente, mas estava numa posição estranha. Estava dormindo com o peito no colchão e uma perna estava dentro e outra fora do edredom e pude sentir o prazer de Sebastian na cena.

     Não feliz em só olhar ele se deitou ao meu lado se enfiando debaixo do meu edredom e roçou suas partes em mim quando me abraçou para dormir de conchinha. Eu queria levantar e deixa-lo sozinho, mas eu podia tentar dormir em qualquer lugar até mesmo na banheira que ele me seguiria. Por isso fiquei imóvel e até deixei ele encostar sua cabeça em meu pescoço . Senti sua respiração fria mandando arrepios pelo meu corpo e percebi que ele estava tentando me seduzir.  Seu safado ! Pensei sozinha. E não era só isso ! Ele estava pelado ! Eu podia sentir sua pele sobre a minha e a unica coisa que separava ele de mim era minhas roupas !Fiquei parada até sentir sua mão escorregar e parar na minha cintura e depois sua respiração ficar lenta e ele pegar no sono vendo que eu não ia deixa-lo ir adiante.

“ Você vai ter a melhor ou a pior noite da sua vida” Pensei tramando e pondo meu plano em ação. 

                                           
        
                                    

3 comentários :

* . Comente aqui o que você achou da postagem , se gostar vire seguidor do blog. * sua presença é muito importante.