Meu Vizinho Lobo - 1 Cápitulo

                      

                     
                       1 Capítulo:

    1 mês antes ...

   A noite estava fria e tempestuosa, um indício de mau presságio, não que alguém de sua família acreditasse nela.  Não que fosse louca, mas estar com 40 de febre por algum motivo colocava sua sanidade em teste.    

     Mesmo com frio Mila se arrastou até a borda da cama e se pendurou nas abas da janela olhando para fora, para o vendo e a chuva açoitando seu vidro enquanto sombras negras e curvadas corriam de um lado para o outro. Uivos estavam em todo lugar e em algum aposento da casa podia se ouvir meu pai resmungando dos malditos cachorros. Seu coração dizia que algo estava errado, mas não especificava exatamente o quê. Ela odiava essa sensação. As vezes mal conseguia dormir tendo aquela sensação ... sem saber o que era. As vezes era nada e as vezes tudo. Dependia sempre do seu estado de animo, e isso quer dizer , que com febre o nada e o tudo podia ser muita coisa.

    Desceu as escadas em silêncio e com a cabeça parecendo um vulcão em erupção. Abriu a porta dos fundos e saiu a procura de seu cachorro Brad, ela sabia que Brad era nome de humano, porem tinha posto o nome do seu ex-namorado que também era um cachorro, então... não achava grande coisa. E o cachorro não pareceu ofendido mesmo nunca tendo gostado do seu ex.

   Quando abriu a porta dos fundos o vento bateu em seu rosto levando consigo a chuva e não demorou nada para sua roupa ficar úmida, mas continuou ali olhando a sua volta como se algo de diferente fosse acontecer. Olhou as arvores que se estendiam até o céu , as nuvens escuras e pesadas a cima dela e ouviu um barulho. Como se tivesse vários e vários lobos vindo em sua direção. Seus uivos e rosnados se aproximavam cada vez mais e demorou um tempo para perceber que eles não estavam ali, e estavam. Os sons estavam ali, mas eles não. Algo estava os impedindo de chegar a ela e não sabia se isso era algo ruim ou bom. Mila não tinha ideia do que fazer , só sentia que tinha que ficar ali e esperar.

   O vento ficou mais forte e as nuvens se dividiram revelando a lua, uma lua tão vermelha como sangue e foi ai que algo aconteceu. Os sons ficaram mais altos e uma luz branca e forte apareceu de repente cegando seus olhos por alguns segundos , algo ou alguém, caiu em cima dela junto com seu rosnado bruto. Rolaram e acabaram caindo na piscina .

   Seu corpo mergulhou na agua fria o levando consigo, mas por sorte conseguiram tirar suas cabeças da água sem que nada os acontecesse. O que tinha caído sobre ela era um homem. Um homem alto e musculoso demais para seu gosto. Seus olhos eram de um azul gelo que poderia jurar que estavam brilhando com uma intensidade sobrenatural quando ele a olhou.

  Sua visão ainda estava um pouco embasada quando ele rosnou e resmungou algo que não conseguiu entender . Em seguida, ele partiu sem dizer mais nada e seu pai saiu correndo aos gritos para fora enquanto sua mãe a ajudava a ficar em pé.

O quê há de errado com você ?! Ela gritou.

  Mas Mila não conseguiu responder, mas sentia que não era ela que tinha algo de errado, e sim que algo não estava certo. Só o tempo poderia lhe dizer.
                                                        D
  Depois daquele dia apareceram as noticias em todos os jornais , revista e canais de tv.  Todas as coisas sobrenaturais que pensaram serem lendas estavam saindo de seus buracos e ninguém sabia o por quê ou de onde saíram .

Que horror ! Sua mãe disse vendo um vampiro atacando uma prostituta na tv. Eles deveriam arrumar umas estacas!. Disse ela.

  Mila revirou os olhos e se enfiou ainda mais em suas cobertas. Estava sentindo um frio fora de série desde o seu banho de piscina com uma criatura  sobrenatural.  Ela não pensava que ele fosse um vampiro... Talvez um lobo.  Imaginando a cena ela imaginou algo parecido com Alcide de True Blood e teve que mudar sua linha de imaginação. Pensar em homens doente a deixava mais doente, pois não podia tê-los. Não assim pelo menos.

   Revirou os olhos e esticou os braços para pegar seus comprimidos. Nem sequer sabia mais para que eles serviam, mas seja lá o que for eles eram caros e não estavam funcionando. A sua febre e mal estar tinham começado há alguns meses e não tinha passado dos 40 graus desde então. Ninguém sabia o motivo ou a cura. Nenhum medico tinha visto isso, nenhum especialista e sua mãe até teve o disparate de pensar em possessão. Ou seja, Mila Havia ficado horas e horas em uma igreja com um padre jogando água benta e gelada sobre ela. Não funcionou, mas ela pode sentir que sua mãe estava alivia de não ter tido efeito. Sua mãe é a típica maníaca religiosa que preferia uma filha a beira da morte do que possuída.

Vai ver que ele estava com fome. Respondeu para ela e recebeu um daqueles olhares. Um daqueles do qual ela a chamava mentalmente de maluca. Mila quase podia ler sua mente de tão forte que eram seus pensamentos.

Você está delirando. Disse com uma careta.

 Mila quis dizer para ela que gostaria mais de ser aquela com o vampiro do que estar ali, numa sala fria, vendo tv e ouvindo reclamações, mas ficou quieta para o seu bem estar.

  Em seguida começou o discurso das criaturas sobrenaturais no jornal. Um de cada espécie, os lideres, tinham vindo dar um recado. Eles dividiram os territórios em partes iguais e eles decidiriam as vidas da população, se você quer uma arma... teria que pedir para eles, você quer matar ou bater em alguém ?! vai ter que pedir para eles. Só faltou a parte onde a população pede para eles para poderem fazer sexo. Ela quase riu com a ideia idiota.

   Nenhuma criatura poderia invadir o território do outro sem um bom motivo, como por exemplo eles estarem sob ataque de humanos. Uma raça teria que avisar a outra. E seriamos obrigados a doar sangue para o bem dos vampiros, pois se não eles pegariam por eles mesmos.

   Sua mãe reclamou ao seu lado e resmungou algo sobre o poder da igreja , mas não deu muita importância pois o remédio a deixava meio grogue e doida. Sem dizer o sono.

Vai ser lindo um monte de gente morta por causa de uma manifestação da igreja . 
Disse meio grogue e sua mãe pirou.

Está defendendo eles? Perguntou ela indignada.

   Na verdade eu ela não estava ligando merda nenhuma para ninguém, ela só queria ficar trancada no seu quarto, debaixo do seu edredom e dormir até o fim do mundo.

Eu já estou morrendo. A última coisa que eu preciso é que alguém adiante isso. Sua mãe praguejou uma centena de vezes até se acalmar e logo o líder do território onde eles se encontravam apareceu para dar um ultimo recado. 

   Mila ergueu a cabeça de leve para ver o que o homem tinha para dizer e quase arregalou os olhos quando o viu. Lá estavam os olhos azuis gelados, pele bronzeada, braços fortes e sorriso de matar. Lucius Lycanus . Aparecia seu nome logo abaixo de sua imagem. Senhor das terras brasileiras onde nenhuma alma pertencia a eles mesmos. Não que antes fosse muito melhor. Pensou Mila. Pelo menos eles estavam fazendo isso na cara do povo e não pelas costas como os políticos. Sem comentar que com as criaturas saindo das sombras, o governo tinha algo mais com se preocupar do que encher seus bolsos.

    - Vocês já sabem o que pedimos e se sofrermos algum ataque ou opressão, vamos revidar a altura. – Disse ele tão calmo e frio como um iceberg . Ele olhou para frente, para Mila. Como se pudesse ve-la através das câmeras e ela ficou rija. – Não pensem que somos como as criaturas de seus filmes idiotas. Somos mais que isso. Somos milhares de vezes mais fortes , ágeis, espertos e sem dizer que trabalhamos em bandos. Lucius sorriu, aquele sorriso que quase fez Mila se contorcer. Podem pegar suas bombas se quiser. Não seria a primeira vez... Disse ele divertido, desafiando quem tivesse coragem de se expor daquele jeito e acabar morto.

  Mila pensou que ele tinha terminado até ele dizer uma simples frase que a fez ficar em alerta total de emergência .

Queremos mulheres. As mais bonitas que encontrarmos e vamos leva-las conosco. A qualquer custo.

 Ela se enfiou de novo entre suas cobertas sentindo a febre subir novamente e seus miolos ferverem. Ela estava longe de ser considerada bonita ou sequer atraente. Seu corpo não estava no seu peso perfeito e estava doente. Com isso, era impossível de alguém se interessar por ela, ainda mais alguém poderoso e líder sobrenatural. E como se sua mão lesse sua mente, ela disse.

Desse mal não morreremos . Não com uma filha assim...


 Mila não queria pensar demais no assunto, mas aquilo a magoava . Ela queria ser o máximo de normal, mesmo doente. Queria que alguém dissesse que era bonita, mesmo que fossem seus pais. Mas não era possível.



                
                                          

DESCULPEM ! Minha ausência, mas minha avózinha está doente e eu estava mal esses tempos por isso, mas sempre vou dar um jeitinho de compensar vocês pelas faltas dos contos, juro.  Mas espero que entendam que as vezes é muita coisa para mim e com isso eu fico triste, depre e etc... E evito de fazer contos quando estou assim por que sai uma " caca" e dai eu tenho que escrever tudo de novo . Mas para quem quiser se distrair quando estou assim , eu tambem tenho um blog de livros históricos ROmances Sobrenaturais Lovers. Tem vários livros para download lá. Bjus. Ah. Sem neura. Eu vou continuar a escrever os capítulos na madruga rsrs



4 comentários:

* . Comente aqui o que você achou da postagem , se gostar vire seguidor do blog. * sua presença é muito importante.