Encontro com o Slender Man - Parte 2


     


Parte 2


       Abri os olhos horrorizado , vendo diretamente o teto desbotado da minha casa sem saber se achava isso bom ou se me sentia ultrajado por estar sendo levado nos braços de meus irmão Ethan.  Olhei para ele ainda meio zomzo e ele riu pra mim, ou de mim, não dava para ter certeza.
        - Cara você está tão magrelo, que está pesando o mesmo que a Stormy!  - ele disse para depois rir novamente. Já não era o bastante ele me carregar no colo como uma moça, agora o filho da mãe me comparava com a mulher que ele queria dar uns amassos.
     - Me coloca no chão traste!  - disse mexendo os braços, quase fazendo -o me jogar no chão com minha brutalidade.
     - Calma!  Nenhum obrigado nem nada? ! - Não era uma pergunta. Não dando atenção mudei de assunto antes que minha mãe chegasse e perguntasse que merda estava acontecendo.
    - Já conseguiu dar uns amassos na garota ou ela ainda te vê como uma espécie de amigo gay?  . - Ethan fez uma careta e desviou o olhar para o chão. Isso era uma forte indicação que ele não havia conseguido nada com ela.
          Não demorou muito para ouvir os gritos da minha mãe da cozinha chamando seus filhos. Ela nos fez sentarmos nas cadeiras que eram nossas desde que éramos mais jovens e nos fez comer tudo que ela colocava no prato. Claro que eu tive que comer uma maior quantidade pois aparentemente todos me achavam magro de mais. Mesmo que na verdade,  eles que eram fortes demais.
       Ninguém me perguntou por que desmaiei e percebi que Ethan me poupou da vergonha, E agradeci com um aceno de cabeça. Logo mais tarde meu pai chegou e pediu para mim ajudar a levar umas caixas de ferramentas para celeiro por que a porta dos fundos tinha emperrado e as janelas precisavam de umas reformas pois batiam com qualquer vento. Na hora não liguei, mas ao sair no meio da escuridão me lembrei da sensação que senti a umas horas atrás. A sensação de estar sendo vigiado, seguido. Como se algo de muito ruim estivesse à espreita, esperando para me pegar.
          Quando cheguei ao meu destino coloquei as caixas num canto dentro do celeiro e olhei para o céu.  Não havia lua à vista e engoli em seco, sentindo um arrepio percorrer a espinha. Dei um sobressalto quando o cachorro começou a latir olhando logo a frente, para as cercas. Olhei na mesma direção e não consegui ver nada de errado na vista. Parecia só haver árvores com galhos longos, o único problema que descobri depois era que os galhos não eram marrons, eram brancos...e se mexiam mesmo sem ter vento. Achei isso estranho e comecei a prestar mais atenção em sua forma e comecei a olhar seus traços e linhas como se olhasse um labirinto. Tentando diferenciar o que pertencia aquilo.
           Aquilo tinha um pouco mais de dois metro e meio. Mesmo a cerca tendo dois metros ela batia em seu peito, aquilo tinha a forma de um homem . Menos em seus braços e rosto. Seus dedos eram longos, tão longos que ultrapassavam o tamanho de seus próprio corpo , e seus braços.... havia vários deles, como tentáculos, longos tentáculos chicoteando no ar até chegar ao chão. Sua cabeça era apenas uma forma pálida e oval, sem cabelos ou feições, apenas o que tinha eram círculos brancos onde deveria haver olhos e não tinha. Olhei para aquela coisa assustado sem ter qualquer outra reação que não fosse olhar... com olhos e boca bem abertos numa careta eternamente congelada. Aquilo era hipnótico. Estava preso no lugar sem poder me mexer ou pedir ajuda e queria com uma loucura desesperada que meu pai chegasse com uma arma na mão e atirasse naquilo, mas tudo que tive foi um grito tão alto feminino que me fez acordar do transe e poder ver Stormy gritando enquanto olhava em direção daquela coisa. Não sei como consegui, mas agarrei - a pelo braço e gritei .
    - Não olhe! .  - e corri ainda a puxando pelo braço enquanto ela tentava correr sem enxergar por causa das lágrimas que encheram seus olhos.
          Quando entramos dentro de casa todos estavam nos olhando preocupados.
-  Que merda Mathew!  - Ethan começou olhando Stormy que tinha se sentado no chão da sala olhando com seus olhos arregalados, fixos na janela como se aquilo pudesse aparecer.
- Tem um demônio na cerca!  - gritei - Nós vimos!  
    Com meus gritos sobre aquela coisa maligna Stormy começou a tremer e chorar. Ethan entrou num armário junto com nosso pai e tiraram armas.
    Os dois estavam carrancudos e bravos como o inferno na terra.
- Manu, fique com a menina, deve ser um louco ou um ladrão tentando nos assustar. - Meu pai disse saindo pela porta levando meu irmão com ele. Quando eles saíram me sentei ao lado dela e fiquei na mesma posição que a sua, me dobrando com os joelhos em meu estomago e apoiando minha cabeça sobre eles com os braços em volta das pernas. Sempre olhando para a janela, sem vacilar. Se aquilo viesse teria que tirar minha mãe e Stormy daqui.
          Logo depois do que parecia uma eternidade eles voltaram. Meu pai e meu irmão estavam brancos como papel,  com suas armas penduradas em suas mãos froxas. Minha mãe perguntava o que havia acontecido,  mas ninguém respondeu , eles apenas começaram a trancar todas as janelas e portas para depois meus pai se trancar no quarto com minha mãe. Ele chorou.  Isso intensificou meu medo . Meu pai, um homem aparentemente durão que serviu seu país, que já viu morte e ataques estava alí, trancado em seus quarto com sua esposa chorando e desorientado enquanto seu filho mais velho abraça a mulher que ama com ambos em estado total de choque e eu olho para a janela. Seja lá o que for aquilo,  eles viram e acharam tão ....surreal como nós, tão fora do normal que nem mesmo eles conseguiam sentir algo que não fosse medo.
          Só conseguimos dormir quando amanheceu. Como se o sol nos protegesse das coisas ruins, como a luz que ilumina as partes sombrias nos protegendo das coisas que se escondem na escuridão. Stormy dormiu sobre meu irmão e acordamos com dores desconfortáveis nas costas,  mas ninguém disse uma palavra sequer, nem mesmo meu pai conseguiu falar. A única que foi poupada de ver aquilo era minha mãe, infelizmente ela estava tão infeliz como nós obrigada a ver sua amada família em estado de choque, triste e com medo sem dizer uma palavra.
         Ficamos assim por meses até conseguirmos vender a casa e nos mudar para um lugar perto de muita gente. Na cidade. Onde ninguém ..ou aquilo pudesse se esconder ou nos espreitar novamente. Levou um bom tempo para as coisas voltarem um pouco ao normal , meu pai voltou a conversar desde que não fosse sobre aquele assunto, Stormy veio morar conosco por que os pais dela moravam muito longe por questões de saúde e ela seria obrigada a ficar na casa de seus pais sozinha, sem ninguém.  Ethan mesmo com medo a ajudou a pegar as coisas necessárias como roupas e outras coisas importantes e a tia dela vendeu a casa por ela para poupa-la de voltar ali mesmo sem saber o motivo.
          Eu continuo com eles, tentando retomar minha vida e arrumar um emprego. Mas aquela sensação volta e sei que não acontece com eles pois sou o único que ainda não consegue ir para frente. Me recuso a dormir no escuro e ficar só, mas mesmo assim aparece aquela sensação de estar sendo vigiado e seguido e as vezes o sentimento é tão profundo que meu corpo se estremece e sinto como se fosse ficar louco. Como se a qualquer momento ele fosse me pegar com aqueles tentáculos e me sufocar, me matar do jeito mais horrível que alguém pudesse morrer.
           Quando tive coragem para pesquisar se algo de estranho estava acontecendo na área onde morávamos nada havia aparecido e deixei o assunto para lá . Consegui arrumar um emprego e tocar minha vida sem estar em lugares muito isolados, achei que tudo estava bem até ver uma foto minha que foi tirada por uma colega de trabalho. A foto tinha sido tirada num parque antigo,  todos estavam rindo para a câmera , crianças brincavam no fundo, enquanto lá atrás de uma árvore se misturando na paisagem... lá estava ele. O homem alto e esguio com seus tentáculos chicoteando no chão e tive a impressão que mesmo sem os olhos... ele estava olhando para mim.
Jornal Local
     
    Hoje na madrugada dessa manhã foi encontrado um corpo de um jovem no Parque Nacional reconhecido como Mathew Davis, causa da morte  um possível suicídio, mas ainda sim os investigadores criminais querem saber o motivo e a causa para evitar mais alguma morte na área, caso isso não seja um suicídio real. 
      Os Pais e o irmão mais velho não quiseram dar um depoimento alegando estar muito tristes com a morte de seu filho mais jovem. Até onde sabemos ele vivia num medo constante e alguns vizinhos disseram que muitas vezes ele dizia estar sendo perseguido por um demônio. Dado a descrição de um homem esguio,  alto com mais de dois metros e meio. Sem rosto e com tentáculos. A mídia apelidou esse ser de Slender Man ( O Homem Esguio) . Se alguém tiver noticias ou algo que possa a ajudar essa investigação ligue ou mande um e-mail para o endereço abaixo.

   JNLocal@tele.com
tel. : 1600- 5863


     Boa noite.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

* . Comente aqui o que você achou da postagem , se gostar vire seguidor do blog. * sua presença é muito importante.