A Ceifadora - 6 Capítulo





Sebastian me abraçou me envolvendo por uma névoa negra e fui levada para casa dele. Senti uma leve brisa sentindo seu corpo frio contra o meu e logo me separei dele e corri para o banheiro, não esperando as perguntas indesejavéis.

- Onde você aprendeu a fazer aquilo? - ele perguntou gritando atrás de mim.

Virei o corredor e comecei a ouvir a música do novo album do Linkin Park - Livin things. Miah gostava do LP e amei de imediato aquela musica Roads Untraveled. Era linda e tinha uma batida romantica e ao mesmo tempo triste. Precisava pedir para Miah me passar aquela musica, assim que eu tirasse aquele gosto de meia suja toxica da boca.

Entrei no banheiro procurando uma escova de dentes e pasta para ajudar a minha saude bucal, mas não encontrei nada. Estava prestes a entrar em pânico e vomitar de nojo.

- Mortos não escovam os dentes? - perguntei assim que Sebastian entrou no banheiro, se é que pode se chamar aquilo de banheiro estava praticamente vazio. Só havia um espelho e uma banheira alí.

- Não precisamos dessas coisas. - Ele respondeu ainda desconfiado.

- E como vocês dão um jeito... sabe... no bafo de onça? - perguntei a ele numa esperança futil de fugir das explicações.

Ele se aproximou com aquela presença poderosa enchendo a sala, me fazendo querer sair. Seu rosto colou no meu e pude sentir a brisa fria novamente, a mesma que sentimos quando estamos perto de uma geladeira aberta. Meu corpo se arrepiou tanto pelo frio quanto por nojo de meu próprio corpo. A água suja estava espalhada por todo o meu corpo e quase chorei por um banho.

- Não mude de assunto.

- Não sei do que você está falando. Eu não fiz nada. Só afoguei a vadia na água e ela se queimou sozinha.

Sebastian agarrou meu braço, Porém tomando cuidado para não me machucar.

- Não minta para mim. Nunca. - Ele disse me olhando nos olhos.

Não aguentei. Chorei. Chorei por que estava suja com o gosto de meia suja na boca, sem banho e por não querer estar mais alí.

- Eu não estou mentindo. Eu só não queria estar aqui. - Chorei novamente.

Sebastian ficou magoado e desviou o olhar , tive que terminar o que estava dizendo para que ele não entendesse errado.

- Eu não queria estar aqui...suja. Não vou ser uma boa ceifadora. Sou medrosa, brincalhona e irritante. Eu não sou você.

Ele virou me encarando com tal intensidade que senti meu corpo amolecendo.

- Não estou pedindo para você ser a melhor.. ou ser igual a mim. Eu só... quero você aqui. - Ele disse e saiu bufando desaparecendo pelos corredores.


E pela primeira vez desde que cheguei aqui, percebi que Sebastian sentia algo por mim.

- Você não me disse como posso me limpar!!!! - gritei para ele, mesmo sabendo que não estava ouvindo.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

* . Comente aqui o que você achou da postagem , se gostar vire seguidor do blog. * sua presença é muito importante.