A Ceifadora - 5 Capítulo

    

     Sebastian....

           Fiquei - a observando através do portal que ficava no espelho, algo muito util e discreto de se fazer. Tinha perdido boa parte dos acontecimentos enquanto ceifava algumas almas para o inferno e outras para a Zona Suícida, ultimamente muitas pessoas andam tentando o suicidio para resolver seus problemas e tristezas. Mal sabem que do outro lado há umas surpresinhas para alguns deles.

         Toquei o espelho franzindo o cenho. Anita tinha posto um monte de folhas e galhos formando um circulo numa area com muita terra, estava na cara que era uma armadilha e os três homens que estavam se aproximando tinham percebido isso também.
          O primeiro, um ruivo com muitas sardas no rosto riu e depois jogou uma pedra na armadilha fazendo com que ela se desfizesse.

        - Garota estupida!  ele gritou me fazendo marcar seu rosto em minha memória para um acerto de contas futuramente. Os outros dois, um gordo que ria enquanto fungava e um alto desnutrido também ria com eles.

         Anita, no alto de uma árvores jogou uma laranja no gorducho e o mandou parar de grunhir igual a um porco. Eu ri com a insolencia dela, ela não parecia brava quando fazia isso, era como se tudo que ela fizesse fosse por brincadeira. Gostava disso e esse era um dos motivos que me fizeram amá-la. O gorducho gritou algo em frances e correu em direção à ela. Anita por sua vez, já havia descido da árvore e corrido em direção a uma parte que continha muitos galhos e espinhos. Essa parte do matagal era a mais perigosa, mesmo para os mortos por que havia almas atormentadas lá. Pessoas que foram assassinadas brutalmente e sem salvação.

           Os três correram atrás dela sem saberem o que fazer. Agindo por instinto. Anita era movida pelo mesmo sentimento, só que ela tinha algo que eles não tinham. Idéias malucas e sem noção na cabeça. Ela correu puxando um galho enorme junto à ela e depois o soltando,  fazendo com que ele batesse no estomago do homem magro e desnutrido,  para o mesmo depois cair em cima do gorducho. O ruivo conseguiu a agarrar pelo braço, mas no mesmo instante que ele a virou para ele, ela fechou os punhos e deu um murro bem dado no meio de seu nariz. Sua cara ficou amassada, seu corpo se curvou e caíu na inconsciencia.

          - Você não é normal, Anita. - disse quase gargalhando. Como ela consegue fazer isso? - pensei. Quando entrei como aprendiz nunca havia conseguido fazer algo parecido. Tudo que eu fazia era friamente calculado e feito. Não aceitava erros. Anita não é assim. Ela faz o que vem na cabeça e por incrivel que pareça,  da certo.


          ×××××××××××

           Anita ...


          Estava cansada e doida para sair dali e deitar na cama de Sebastian. Parecia estranho dizer isso,  mas a cama dele é tão macia e convidativa... que não dava para deixar de pensar.

           - Já acabou?  Odeio mato Sebastian!  - gritei.

             Nada contra a natureza. Era só que depois que meus pais me levaram para um sitio onde o colchão cheirava a mofo e os pernilongos fizeram A FESTA no meu corpinho, meio que fiquei com trauma de lugar com muito mato.

         - Não podia fazer o teste numa escola abandonada não?! Ou num manicomio? Eu não ia ligar, não!  - gritei sem ter resposta. Aquele peste só ia falar comigo depois que o teste acabasse.

          Continuei correndo até chegar perto de um lago onde uma mão saía para fora da superficie. E fiz a unica coisa que eu achava normal de se fazer... Gritei.

         - Ai!  Meu!  Deus!  Ta morto Sebastian!  Tem um morto aqui! 

         Quando estava pronta para sair correndo aquela mão apareceu do nada puxando minha perna e me levando para baixo da água.

         " Cuidado com a água, eles te puxam " lembrei das palavras de Miah.

          Já falei que não sei nadar? Pois é,  não sei. Mas essa mão ia se arrepender de ter feito isso. Nem que eu ... Eu o quê? Morra para isso? Sendo que já estou morta. Talvez eu tenha que inventar algo para completar essa frase,  mas meio que estou sem tempo agora.

      Chutei com minha perna livre um corpo que não conseguia ver. Ele era invisivel? Não.  Eu estava com os olhos fechados. Sempre tive fobia de água por que não sabia nadar e nunca consegui fica com os olhos abertos debaixo da água ou fazer uma aposta de quanto tempo alguém aguenta prender a respiração.  Sou assim fazer o quê?  Eu disse que ia ser uma ceifadora. Não uma mestre ninja na arte do ... Ceifadorismo?!  nunca prometi ser uma boa ceifadora.

          Só deus sabe como consegui sair da água. Acho que boíei para fora, não  importa. O importante foi que corri para longe da água olhando para trás só para dar de cara com uma figura fantasmagórica do tipo A Menina do Exorcista. Imaginou né?  horrivel! E isso não  era o pior. O pior era que aquilo estava rindo para mim. Como... sei lá. Um tipo sorriso malévolo que diz você se ferrou e estou feliz por isso.

          - Gosta de afogar pessoas, né? ! Sua puta de esquina. - disse recuperando o fôlego. - Agora você vai ver uma Ceifadora com TPM.

          Corri em sua direção agarrando - a pelos cabelos e enfiando sua cabeça na água .
         - Gostoso né?!  engolir água suja que só Deus sabe o que aconteceu com ela! - gritei alto o suficiente para ter certeza que ela ía ouvir. Sério... aquela água tinha o gosto horrivel. Tinha um gosto de esgoto fervido e passado na meia com chulé do meu tio. Nojento! Nunca tomei chá de esgoto passado na meia, mas acho que teria um gosto parecido.

          A garota se batia na água não conseguindo me tocar, só depois de um tempo percebi que ela estava queimando na água. Dei um pulo para trás tendo um deslumbre de um crusifixo perto de seu corpo e vendo o reflexo de Rafael na água enquanto sua imagem desaparecia.

         Uma mão agarrou meu ombro, me puxando para trás.  A adrenalina bateu e meu punho indo em direção a um rosto, mas  sendo parado pela mão de Sebastian La'Muerte.

        Seu rosto estava sério e seus olhos estavam na direção da garota em estado de decomposição. " Como ia explicar para ele sobre isso? Não podia dizer : Conheci um anjo que me deu um colar,  me disse umas coisas estranhas e depois exorcisou a garota doida. E aí?  posso ir para sua casa agora? " Claro que não!  Isso era maluquisse demais, até para mim! pensei. E como se tivesse lido meus pensamentos, ele disse :

         - O que está acontecendo aqui?  - E pronto. Tudo havia piorado um pouco mais e meu prêmio de consolação foi tomar chá de meia suja.





                                               

Um comentário:

  1. Ai! Tô amando esse livro!!!!
    Aguardando ansiosamente pelos próximos capítulos....
    Beijos...
    MiyuDiana

    ResponderExcluir

* . Comente aqui o que você achou da postagem , se gostar vire seguidor do blog. * sua presença é muito importante.