Every Other Day - Capítulo 13

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Eu estava bastante certa de que o tipo de pessoa que pegava meninas na beira da estrada não era o tipo de pessoa com que você queria ficar sozinha em um carro com por um período prolongado de tempo. Eu suspeitei que era duplamente verdadeiro se você estivesse coberta em seu próprio sangue e vestindo os restos de uma blusa que tinha mais certeza que já esteve em seus  melhores dias. Ainda assim, mendigos não poderiam escolher .
       Eu precisava de um chuveiro. Eu necessitava de roupas frescas, e eu precisava sair do lado da estrada antes que algum transeunte bem-intencionado chamado policiais aparecessem. Minhas opções eram severamente limitadas, e desses,Eddie parecia ser a melhor aposta. Ele tinha uma barriga de cerveja proto-e bíceps que me disse que gostava de se sentir forte. Eu sabia que o segundo que o vi, puxando para o posto de gasolina, que iria me pegar quando ele saiu, sem fazer perguntas. Eu também sabia que ele provavelmente iria tentar tirar um pouco de algo em voltar.

- Não faça isso, Kali.

     Eu não tinha certeza se Zev queria dizer com essas palavras como um aviso ou uma ordem, mas de qualquer forma, não me senti particularmente obrigada a ouvir. Quem ou o que quer que fosse, ele não era nada para mim, e eu estava acostumada a cuidar de mim mesma. Eu tinha uma faca amarrada na minha perna e os instintos de um assassino.

Eu vou ficar bem.

Além disso, eu já quase morri uma vez hoje. Isso realmente tinha um jeito de colocar as coisas em perspectiva. Então, eu estou no Carro de Eddie. Eu ignorei a voz de Zev para o fundo da minha mente,e eu esperei meu tempo. Nós tínhamos feito isso para os arredores de cidade, cerca de uma milha de distância da universidade, quando Eddie estacionou para fora em uma estrada de acesso e colocou uma mão no meu ombro.

"Eu vou matar você", eu disse de conversação. As palavras não eram uma ameaça, era  mais uma observação, realmente, e ele me perturbou que eu poderia ser tão prosaico sobre tirar a vida humana. Eu nunca tinha sentido a necessidade de caçar qualquer um que caisse no lado da divisão natural / sobrenatural, mas a caça às luxúria já estava se acumulando dentro de mim, e eu tive uma manhã realmente ruim.

"Desculpe-me?" Eddie perguntou: aa ficha não caiu tão fatalmente estúpida que eu quase não conseguia ficar olhando para ele.

"Não me toque", esclareci, o ar em volta de mim pulsando com um ritmo que eu reconhecia muito bem. Um que me queria para preparar uma armadilha. Para caçar. Para matar.

"Hey agora, querida. Eu poderia ter chamado a polícia quando vi você. Ainda posso. Uma Garota como você, parecendo que " A Mão de Eddie arriscou do meu ombro a minha clavícula, e algo dentro de mim se partiu. Um segundo que eu era eu, e no seguinte, eu tinha sido empurrado para fora de meu corpo, e eu estava assistindo a minha boca jogada e ouvira as palavras que não eram minhas serpenteando o seu caminho para fora dos meus lábios.

"Ela provavelmente não iria matá-lo. Ela tem uma certa predileção por seres humanos, pensa que ela é um deles. "

   Eu assisti, sem corpo, como um perigoso sorriso brilhante atravessaram as características do meu rosto, e eu me atirei de volta até o momento na pista de gelo quando eu tinha perdido o controle do meu corpo, quando algo ou alguém tinha jogado fora de linha do dragão de fogo.

"O que no inferno ardente que você está falando?" Eddie não removeu a mão da minha clavícula, mas não o fez aventurar-se mais baixo, também.

"A garota não vai te matar, mas eu vou. Vou aproveitar esta faca e passar por sua garganta a baixo, dividir o seu corpo em dois ao longo da linhas da sua coluna delicada humana ".  - A voz de Zev era menor do que a minha, quase mecânica do jeito que saíram da minha boca. Eu lutei para o controle do meu próprio corpo.

  - Posso lidar com isso!

  - Eu estou lidando com isso. - Zev disse calmamente, e eu sabia por seu tom de voz que ele não estava discutindo comigo. Ele simplesmente estava declarando um fato.Eu estava começando a desejar que eu nunca tivesse entrado em um carro com Eddie. Eddie-que , provavelmente, chegaria a uma conclusão semelhante-se-estupidamente persistiram na tentativa de fazer um ponto com a criatura usando o meu corpo.

"Agora, olha aqui, menina."

"Deixe".

    No espaço de um batimento cardíaco, Zev tinha minha faca em sua mão, e ele arrastou o ponto suavemente em toda a superfície do meu agressor até o pomo de Adão.

"Executar".Eddie congelou.

"Sua puta louca!. "

   Dentro de um segundo, Zev tinha a borda da faca pressionada para o lado de baixo do queixo do homem, com força suficiente para desenhar em sangue. Pequenas esferas vermelhas frisados-sairam sobre a superfície da Pele de Eddie, revestindo de sua barba. Zev lambeu os lábios.Ou melhor, ele lambeu meus.Minha língua. Meus lábios. Minha mão segurando a faca. Agarrei-me a esse pensamento, e de alguma forma, minha mente empurrou Zev para fora de eu corpo.
     Os ouroboros no meu estômago queimava como gelo seco, como fogo.

"Eu não acho que ele gosta quando você me chama de puta", eu disse a Eddie secamente, tentando não soar tão jogada como eu me sentia.

"Ele?"

     O pomo de  Adão de  Eddie foi cortado para cima, e meus olhos brilharam de uma série de pequenos cortes na superfície de sua pele.Sangue.Pessoas como eu não ficariam com fome. Nós nem sequer precisavamos comer. Mas por um momento, uma fração de segundo que abalou-me ao núcleo, eu estava muito, muito sedenta.

"Eu deveria ir," eu disse, forçando-me a puxar a faca da garganta de Eddie, tentando não olhar para o sangue escorrendo de sua superfície.

"Eu estou chamando a polícia!" Eddie parecia decidido a provar que ele não era a mais brilhante creiom na caixa. Dei-lhe um olhar.

"E dizer-lhes o quê? Que você pegou uma menina coberta de sangue, e quando tentou colocar os movimentos nela, o demônio dentro dela ameaçava sua vida? "Eu bufei."Boa sorte com isso."

   - Eu não sou um demônio. - Zev soou extremamente  para fora. - Demônio é uma palavra muito ofensiva. - Revirei os olhos.

    " Você teria matado ele, Zev".
  - Sim.

      " E você não vê nada de errado com isso?"

     - Ele teria a ferido. - Veio a resposta. - Ele pode muito bem machucar alguém.Uma mão no punho da minha faca e outro na maçaneta da porta, eu virei o meu olhar de volta para Eddie. A última coisa que Eu queria era ele fizesse isso com outra pessoa, alguém-que pode não ter uma faca amarrada a uma perna e ter um assassino dentro de seu cérebro.

"Temos agora o seu cheiro", eu disse, soando menos dehumana que eu . "Eu não recomendo pegar mais adolescentes. "  - Para bater n ponto, eu trouxe a faca manchada de sangue para meu nariz e respirei profundamente. Minha língua se apagou entre meus lábios, mas eu puxei a parte de trás da lâmina antes de os dois pudessem se tocar.

"Adeus, Eddie."Abri a porta do carro, pulei para o chão, e sem nunca mais voltar a olhar por cima do meu ombro, voltei para a estrada e comecei a correr.Com a minha resistência, eu poderia ter corrido todo o caminho,mas eu ainda estava coberta de meu próprio sangue e não queria ter o risco de ser vista mais do que eu tinha que fazer.Eu precisava de um banho e uma muda de roupa. Eu precisava me misturar, e crescer na academia, eu sabia que as meninas da faculdade no campus sabiam da maneira como  outros sabiam se misturar no  ambiente local,shopping. A universidade estava perto o suficiente, e não foi difícil encontrar um bloco de dormitórios. Ater-me nas sombras, tanto quanto possível, encontrei uma porta que havia sido mantida aberta indo para o banheiro do segundo andar comunal.Como eu suspeitava, não havia muitas pessoas até no início da manhã. Eu levei o meu cabelo para baixo de seu rabo de cavalo e deixe-o no meu rosto, mascarando o sangue lá e orando para que a minha bluda escura, ou pelo menos, o que restou dela- esconder o resto.Eu fiz isso no banheiro sem ser notada e entrevistada que me rodeia. Um chuveiro já estava em uso,e o ocupante tinha pendurado as roupas em um gancho fora da cortina: jeans, um top, um sutiã de tamanho considerável. Decidi que o terceiro item não caberia, eu gentilmente coloquei os dois primeiros fora do gancho e caminhei de volta para fora da porta, um outro vôo de escadas, e no banheiro do terceiro andar. Joguei as roupas sobre a haste do chuveiro, puxei a cortina, e comecei tirando a minha.A água quente deve ter se sentido bem no meu corpo devastado,mas isso não aconteceu. Eu podia sentir o calor, mas meus músculos não estavam feridos e eles não estavam à procura de alívio. Mecanicamente, corri minhas mãos nos meus membros, fazendo uma verificação de lesões que não tinham ainda se curado. Algumas áreas estavam  cruas e vermelhas, mas como eu lavei o sangue e sujeira dos meus poros, e foram drenados a decoração em tons de preto e vermelho, até mesmo nessas áreas começaram a desaparecer,deixando minha pele marrom cremosa e lisa. Intocada. Quaneo eu voltei minha atenção para o meu cabelo, ocorreu-me que se Zev estava lá, na minha mente, ele poderia estar recebendo bastante informações. Fiz uma pausa, procurando por ele, mas pela primeira vez, senti-nada. Eu cavei mais fundo, empurrei mais forte, e a imagem que eu tinha visto enquanto eu estava deitada sobre o lado da estrada pulsava como uma luz estroboscópica na frente dos meus olhos.Paredes de cimento, marcas de queimaduras no chão, e uma figura envolta em sombra, deitado de lado.
    Rápido como um flash da câmera, a imagem desapareceu. O vapor do chuveiro se disolveu na minha pele, e eu podia sentir minha mente se soltando, até que uma ideia tomou forma. Zev tinha dito que a mordida de um chupacabra eram fatais em seres humanos, mas que algumas pessoas podem lidar com a mordida.Algumas pessoas beneficiadas. Pessoas como eu.E quando eu perguntei a Zev o que ele  era, ele tinha jogado a pergunta de volta para mim, como se fôssemos o mesmo.
       Eu passei minha vida inteira à procura de respostas, e agora,contra todas as probabilidades, elas estavam lá, na minha cabeça.

      Torcia meu cabelo tirando o último da água ensanguentada do meu cabelo e girei  o botão do chuveiro na posição OFF. Rapidamente,silenciosamente, eu coloco o jeans que havia roubado e deslizei a parte superior do top sobre a minha cabeça. Minhas botas haviam sobrevivido à queda na maior parte intacta, e sem sequer pensar, eu embanhei minha faca,prendendo-a no lugar por baixo da perna das Sevens roubada.
     Meu corpo cantarolava onde entrava em contato com a lâmina,e uma vontade familiar começou a acenar para mim no mesmo ritmo meu coração próprio.Eu queria caçar. Eu precisava matar. E quando uma garota humana passou por mim e pulou no chuveiro ao lado meu, eu peguei o cheiro do sangue dela no ar.

- Doce . Acobreado. Mel.Fácil, Kali. A sede não é sua. É o Nibbler é.

     Eu tentava processar o que estava dizendo. Não era o chupacabra que deveria estar drenando o meu sangue?

- É uma parte de você agora. Isso faz você mais forte. Ele nos conecta. E mais cedo ou mais tarde, você tem que alimentá-lo.

      Eu tive que sair de lá, longe do cheiro da menina no chuveiro, longe da sugestão de que o chupacabra dentro de mim queria sangue. Uma desconfortáve idéia, para não falar impossível, foi tomando forma na minha mente, e eu não queria dar vida a ele. Eu não queria pensar sobre o tipo de criatura que pudesse curar de qualquer ferimento e sede de sangue humano.

- Você deve queimar a roupa.

     Eu quase agradeci a  Zev por mudar de assunto, mas me pegou em tempo. Era perturbador como era natural ter alguém na minha cabeça , e eu não poderia empurrar por esse sussurro pouco dentro de mim, aquele que disse que pessoas como eu fomos feitos para vir em pares.Solitários. Lembrei-me da frase do gelopista, e Zev ecoou ele, o timbre de sua voz colocando suas palavras para fora da minha própria.

- Você nunca soube. -  disse ele, o questionamento meio, meta de concurso. - O que você é, é o que estava faltando.

     Saí do banheiro, escada abaixo, e para fora ds porta.

- Fale comigo, Kali. Tentei explicar as coisas para você ontem, mas você não podia me ouvir.A conexão é muito mais clara agora ....

      Eu o ignorei e comecei a trabalhar arrecadando uma garrafa de removedor de esmalte polonês e um isqueiro. Esquivando-se para trás de um dos dormitórios, que se concentrava em uma lata de lixo vazia, despejei em minhas roupas, e segui a sugestão Zev .Eu queimei minhas roupas. Por alguns segundos, vi as chamas. E, em seguida,tinha certeza que ele iria trabalhar, eu tentei chegar  a mente de Zev.Ele tinha tomado conta de meu corpo duas vezes agora ,pela primeira vez com o dragão,em seguida, com Eddie. Daria o troco.  Achei que era apenas um jogo justo. Olho por olho.

     Minha respiração desacelerou, e senti-a única coisa dentro do meu corpo. E então, um formigamento da pele com carga artificial, sentia coisa dentro de Zev .Meu corpo. Meu Nibbler. Sua Nibbler. Ele.Por um segundo, uma fração de segundo, eu vi o mundo através de Olhos de Zev, usava seu corpo como o meu. Paredes de concreto. Piso de concreto. Uma mulher com lábios  vermelho-rubi. Sangue.
    Eu vim de fora sem aviso prévio. Minhas roupas ensangüentadas eram cinzas e o fogo queimou a si mesmo.

     - Onde você está? Perguntei a Zev silenciosamente. - O que foi isso?A voz na minha cabeça estava em silêncio.- Você queria que eu falasse. Eu estou falando. - Ainda nada. Tudo o que eu tinha visto, o que Zev estava escondendo, ele claramente não estava próximo a respeito. Tudo que ele queria falar era de mim. O que eu estava. O que estava acontecendo em meu corpo. Como manter predadores fora do meu caminho.       

    Mesmo pensando que o último enviado de um sussurro era de descontentamento através das minhas artérias e veias-Eu não fui construída para fugir dos monstros. Eu queria desesperadamente correr em direção a eles, encontrá-los, matá-los. Felizmente, eu estava usada para restringir a mim mesma, utilizada para agir humanamente, mesmo quando,Eu não era, e a parte humana do meu cérebro me lembrou que agora, bestas sobrenaturais não eram exatamente a minha principal preocupação.Alguém tinha feito uma tentativa forte para me matar esta manhã. Com alguma sorte, entre a minha transição de humana para não ,e minha viagem através do pára-brisa, eu poderia ter conseguido acertar o seu sistema de rastreamento, mas quem estava chamando os tiros provavelmente não ficaria encantado quando descobrisse que ainda estava vivoa. Pior, eu tinha certeza de que Bethany tinha me visto voar pelo pára-brisa,e agora ela estava faltando. Se nossos perseguidores a levaram? Se tivessem a machucado? O que ela disse a eles?Ela estava morta?

  - Fácil, Kali. -   Zev estava de volta. Meus dedos se enroscaram um pouco,como se alguém estivesse acariciando minha palma.  - Não é o sua culpa.

"É minha culpa", eu disse suavemente, resistindo ao impulso de falar diretamente às palavras da minha mente para a dele.

  - As pessoas como nós não tem amigos. Nós não temos inimigos. Nós não carpool, não argumentam, não deixamos que outras pessoas estejam sob nosso cuidado.

 "Mas eu tinha. Eu deixei Bethany me ajudar, só porque eu tinha a ajudado. De alguma forma, ela rastejou sob minha pele. Ela havia visto um vislumbre do verdadeiro eu.E agora ela se foi, possivelmente raptada, possivelmente morta. Eu vou encontrá-la, eu disse silenciosamente, desafiando Zev para argumentar,para tentar me dizer o que fazer quando ele não poderia mesmo responder a uma simples pergunta. Eu vou encontrá-la, e eu vou descobrir o que fizeram com ela, mesmo que isso signifique ir direto para o ventre da besta.

   



Nenhum comentário :

Postar um comentário

* . Comente aqui o que você achou da postagem , se gostar vire seguidor do blog. * sua presença é muito importante.