Every Other Day - Capítulo 10

terça-feira, 16 de outubro de 2012


      Meu pai chegou em casa.   Elliot à esquerda, e houve um momento-Um único momento, quando eu pensei que meu pai podia olhar para mim e ver: a palidez nà minha pele, os círculos escuros sob meus olhos, os hematomas, as articulações inchadas.
      Eu coloquei minha mão sobre o fundo da minha blusa , tocando com a ponta, batendo o de baixo para cima e para baixo, para cima e para baixo, esperando que ele procurasse a mim.Para ver.


" Seu amigo parece bom", disse ele distraidamente. Ele poderia muito bem ter direto para mim, e eu não poderia mesmo odiá-lo por isso. Ele quis dizer bem. Ele queria me amar.Então, novamente, você sabe o que eles dizem sobre a estrada para o inferno.

   "Elliot não é meu amigo", eu disse, minha voz neutra e agradável como o do professor. "Ele está namorando Betânia Davis."

       O Nome de Bethany chamou a atenção de meu pai, a maneira que eu conheci que faria.

"Ele está agora? Tive a sensação de que vocês dois se deram bem. "

     Por um momento horrível, pensei que meu pai poderia chegar mais e dar tapinhas na minha cabeça, como um garotinho. Como um cão.

    "Você deve convidar Bethany aqui um dia depois da escola ", disse ele. "Ou talvez eu pudesse falar com Paulo sobre quatro de nós sair para um jantar entre pai e filha? "Naquele instante, eu odiava Betânia, a odiava tanto que eu desejei que eu nunca tivesse visto o ouroboros em suas costas ou que eu fechasse os olhos para ele, uma vez que eu o tinha visto.

        Eu sabia que não era racional,sabia que essa conversa não era mais culpa dela do que minha, mas eu não tinha vontade de ser racional.Eu me senti como se fosse vomitar toda sobre  o meu pai vestido-para-sucesso sapatos de grife.

"Kali?"

    Fui mordida por um chupacabra, e eu não poderia deixar para manhã. Só pensei que você deveria saber.Eu não poderia coagir os meus lábios para dizer as palavras. Qual era o ponto? Em vez disso, tomei o caminho mais fácil, do jeito que eu sempre fiz com ele, do jeito que ele sempre fez comigo.

  "Estou muito cansada", disse. "Eu vou para a cama."  

    Outro pai teria chegado transtornado que eu não tinha respondido a sua sugestão, mas meu pai nunca gritava comigo.Os dois de nós nunca lutava . Eu iria na minha maneira alegre e ele ia na dele, e se eu morresse no meio da noite, ele viveria.  Ele apenas tinha que encontrar outra maneira de agradar a Paul Davis.Por algum milagre, eu fiz isso no andar de cima sem quebrar para baixo ou de desmaiar. Fechei minha porta do quarto atrás de mim e me afundei no chão.  

       Oito horas e cinquenta e um minutos.

     Eu estava cansada, eu estava tonta, e tudo que eu queria era ir dormir e trazer na madrugada, mas eu sabia com súbita presciência que não ia acontecer. Eu não ia ser capaz de parar de pensar nisso, qualquer um que não sabia sobre o meu pai , ou a coisa dentro de mim, ou o fato de que em algum lugar lá fora, alguém estava me procurando.  Como Betânia.Como eu me meti nisso?Eu era normalmente boa em mentir , mas isso era muito bonito no oposto.
       Supondo que o melhor acontecesse,  e eu sobrevivesse à noite, que seria uma bandeira gigante vermelha ali-a Betânia, a Skylar e seus irmãos, para a mulher em saltos nos calcanhares.

     -Ferir-Você.Com tudo o que acontece dentro da minha cabeça, o retorno da voz era quase um alívio. Eu era o tipo de pessoa que precisava de um inimigo. Eu precisava de algo que eu pudesse lutar,algo que eu poderia matar.
 
       Voltou de novo? Perguntei silenciosamente, desconsiderando o fato de que acordo com a ciência moderna, chupacabras tinha o mental capacidade de uma ameba. E aqui eu pensei Elliot e Vaughn tinha medo para longe.Nenhuma resposta. Então, novamente, o que posso esperar? Eu estava conversando com um parasita. Eu estava morrendo. E havia uma parte de mim que não podia deixar de desejar que Elliot não tivesse me deixado apenas para que eu não tivesse que estar passando por isso sozinha.

        Não gosto de você.   Essa foi a coisa mais clara que o intruso pouco tinha dito uma vez que deixamos  a pista de gelo, como eu precisava de um lembrete de que eu estava diferente. Como eu nunca tinha sido capaz de esquecer, mesmo por um segundo, que eu não era como as outras meninas-que eu não era ninguém.
      
       Esta não foi como eu imaginei que acabaria por ser minha última noite na Terra: sozinha no meu quarto, falando com a voz na minha cabeça e sentindo pena de mim mesma. Eu precisava fazer alguma coisa. Naquele momento, eu teria dado qualquer coisa para uma luxuria de caça,a inquietação, o propósito que eu sentia na noite anterior.

     A cada dois dias, eu era uma caçadora de demônios. Eu era poderosa. Eu era alguma coisa.Mas agora?Agora eu estava perdida, sozinha e morrendo, e os mais próximo que eu tinha era a criatura que estava me matando .  Amando .Eu podia sentir meu aperto na garganta e meus olhos começando a queimar.

    Parafuse isso.Talvez eu tenha sido diferente, eu talvez tenha sido uma solitária, eu posso ter sido uma aberração, mas eu não era uma pregoeira. Não é sobre isso, não sobre qualquer coisa. Determinada a acabar com o desejo, eu virei minha atenção para o pedaço de papel que  Skylar me deu e que estive pressionando na minha palma quando eu estava saindo da casa de Vaughn.
        Eu o puxei para fora do meu bolso e o desdobrei, com cuidado para não rasgar as bordas.

-   É essa coisa, Skylar tinha dito. - Eu não posso tirá-lo da minha cabeça. Eu acho que pode ser importante.

    Olhando para o desenho, tive a estranha sensação de déjàvu. O símbolo era simples: um octógono dividido por uma fita ou possivelmente uma escada, em espiral em torno de uma linha invisível. A forma em si era desigual e assimétrica, e eu tinha a sensação de que o desenho não era um talento que  Skylar tinha qualquer tipo de abundância.   Eu não sei quanto tempo fiquei sentada ali, olhando para o desenho e esperando o momento  lâmpada quando tudo clicado no lugar, mas tudo o que consegui realizar foi me dando uma dor de cabeça.  

      Seu corpo está trabalhando horas extras, tentando substituir o sangue que perdeu.Pensando no diagnóstico de Vaughn, lembrei-me-tardiamente, que na hora do almoço, Elliot tinha mencionado algo sobre um de seus irmãos, sendo um veterinário. Eu bufei. Eu desmaiei, e Skylar me levou a um veterinário.A ironia da situação, que talvez eu fosse um animal,nada mais humano do que as coisas que não lutaram, escapou me. Não-animal.

    "O parasita sugador de sangue não acho que eu sou um animal",Eu disse, minha voz seca. "Eu me sinto tão consolada."

"Kali?" Tardiamente, percebi que meu pai enfiou adirigir-se para o meu quarto, e eu estava dividido entre querendo saber o que ele queria agora e esperando que ele não tivesse me ouvido conversando com ar rarefeito.

  "O que você quer?" Eu perguntei, demasiada cansada para sugar coisas e fingir que estava tudo bem entre nós, ou que houve mesmo um que se fale de nada.

"Eu ... erm ..." Meu pai raramente gaguejava. Eloquência foi tipo de sua coisa, então o fato de que ele estava tropeçando em suas palavras me chamou a atenção mais do que o fato de que ele estava aqui. "Eu só queria que você soubesse que eu não chamo Paul Davis,", disse. "Se você e Betânia querem ficar juntas, isto é, se você decidir que quer ,bem, cabe a você, ok? "

      Este foi o mais próximo que ele poderia vir a se desculpar e dizendo bem sem cumprir seus olhos era tão perto como eu poderia vir a aceitá-lo. Poucos segundos passaram com nenhum de nós dizendo mais nada, e então ele se virou para sair.

"Pai, boa Noite," Eu liguei para ele depois. Havia uma chance-e eu não sabia o quão grande era, que esta pode ser a última conversa nós dois já tivemks. Eu devia isso a ele para dizer algo, mesmo que não era o que eu queria dizer.

"Boa noite, Kali."Por volta de duas da manhã, eu finalmente adormeci, mas a única coisa esperando por mim em meus sonhos era mais do mesmo:mais monstros, mais dúvidas, uma sensação incômoda de que eu estava faltando alguma coisa, que eu estava estragando tudo.

      Sonhei que estava sonhando.Eu sonhei que estava morrendo.Eu sonhei que estava coberta de sangue.Virei-me na cama, meus lençóis brancos tingidos em tons de vermelho, e havia um homem ali, olhando para mim, encharcado de sombras da cabeça aos pés. Havia algo de belo sobre suas características, algo mortal, e seus olhos ...Aqueles olhos.Eles eram da cor de prata manchada, no fundo de sua face que não era humana, mas não foi não.Ele estendeu a mão e me tocou, arrastando a sombras onde quer que fosse, e eu respirava na escuridão.

      O Respirava.

     Sonhei que estava sonhando.Eu sonhei que estava morrendo.Acordei coberta de sangue.








Nenhum comentário :

Postar um comentário

* . Comente aqui o que você achou da postagem , se gostar vire seguidor do blog. * sua presença é muito importante.